De olho nas doenças!!!!!

Olá pessoal,

Quem nunca ficou apavorado quando viu o seu amigo doente, passando por uma dificuldade?? as vezes estamos no meio da noite e acontece uma situação dessa e o que fazer?
As vezes não é aquele bicho de 7 cabeças que pensamos e podemos contornar com um pequeno gesto, por outro lado a doença pode ser grave e necessitará de cuidados e ajuda veterinária o mais urgente possível.





Pensando nisso, encontramos um pequeno guia com as principais doenças relacionadas ao Pug para nos guiar em momentos de apuros. Esperamos que ninguém precise usá-lo, mas é sempre bom saber o que deixa o seu amiguinho doente.


.
ATENÇÃO À SAÚDE


Saibam quais são os problemas de saúde típicos do Pug e a forma de identificá-los, preveni-los e tratá-los

Doença
Descrição
Sintomas
Conseqüências
Prevenção
Tratamento
Dermatite.
Inflamação da pele causada por bactérias, fungos, ácaros, seborréia, umidade e outros agentes. A raça é sujeita a doenças sobretudo pela presença de rugas, entre as quais a sujeira e a umidade se acumulam com facilidade.
Queda de pêlos, coceiras, vermelhidão na pele, mau cheiro e descamação no local.
Infecção secundária da pele.
Dependendo da causa, com antialérgicos, antiinflamatórios e antibióticos.

Consulte sempre seu Veterinário.
Displasia Coxofemoral.
Mau encaixe entre a cabeça do fêmur e a bacia. A doença é hereditária, mas seu aparecimento comumente se dá pela influência da fatores ambientais.
Demonstra dor, mancar com uma das pernas traseiras e fazer esforço para se levantar.
Incapacidade parcial ou total de locomoção.
Com analgésicos, antiinflamatórios e, em certos casos, cirurgia.

Consulte sempre seu Veterinário.
Dry Eye.
Diminuição da produção de lágrimas e conseqüente ressecamento dos olhos
Secreção ocular densa, olhos avermelhados e sem brilho.
Conjuntivite, lesão na córnea, cegueira e até perda dos olhos.
Não há.
Com lubrificantes oculares, medicamentos que estimulam a produção de lágrimas e esteróides tópicos.

Consulte sempre seu Veterinário
Hipertermia.
Super aquecimento da temperatura corporal. O Pug é vulnerável ao mal devido às vias aéreas superiores curtas, que prejudicam a respiração e transpiração.
Respiração ofegante, dificuldade de respirar, prostração e taquicardia.
Morte
Deixar o cão com acesso à sombra e à água fresca, não mantê-lo sob sol forte, nem em ambientes quentes, como o interior de veículos.
Resfriar o cão, molhando-o com toalhas umedecidas em água fria ou ventilando-o.
Epilepsia.
Doença neurológica de origem genética que se caracteriza por descargas elétricas anormais que ocasionam convulsões e/ ou descoordenações.
Desequilíbrio ao andar, salivação intensa, tremores, convulsões e desmaio.
Traumas durante as convulsões e, em certos casos, morte.
Com anticonfulsívos.

Consulte sempre seu Veterinário
Luxação da patela.
Deslocamento da rótula, em geral de origem hereditária.
Mancar com uma ou ambas as pernas traseiras.
Atrofia muscular da perna afetada.
Com analgésicos, antiinflamatórios e, em certos casos, cirurgia.

Consulte sempre seu Veterinário
Otite.
Inflamação do ouvido causada pela proliferação de ácaros, fungos ou bactérias.
Mau cheiro, febre, apatia e coceira local. O cão também pode chacoalhar a cabeça.
Dor, irritabilidade e , em casos graves, surdez.
Evitar que entre água nos ouvidos e limpá-los periodicamente.
Conforme o caso, com antibióticos, antimicóticos ou sarnicidas.
Pug Dog Encephalitis.
Doença provavelmente de origem genética que afeta o sistema nervoso central, causando necrose e inflamação das substancias cinza e branca do encéfalo (parte do cérebro).
Convulsões, letargia, depressão, cegueira e andar em círculos.
Coma e morte.
O tratamento é apenas sintomático e à base de anticonvulsivos.
Úlcera de Córnea.
Perfuração da camada da córnea por agentes traumáticos, físicos ou químicos. O Pug é particularmente sujeito em razão de seus olhos serem grandes e proeminentes.
Esclerótica (parte branca dos olhos) avermelhada e lacrimejamento constante
Sem tratamento e até cegueira do olho.
Limpar periodicamente os olhos, manter o cão com as unhas curtas e em ambiente desprovido de objetos pontudos ou que possam atingir a região ocular.
Com antiinflamatórios não esteróides, antibióticos e cicatrizantes locais.






É importante dizer que todas as raças apresentam algum tipo de doença se não for cuidado e monitorado periodicamente por um medico veterinário, não queremos passar a imagem que o Pug é uma raça problemática e também não significa que ao adquirir um Pug ele virá com o pacote de doenças dicriminadas acima, pelo contrário, queremos ajudar a prevenir, alertar e principalmente conscientizar que hábitos simples de higiene, segurança e visitas constantes ao Veterinário são importantíssimos para a saúde do seu Cão.

Grande abraço,

Fábio Lumertz